sexta-feira, 21 de julho de 2017

Surf - Filipe Toledo é o campeão do Corona J-Bay Open

João Carvalho – WSL South America Media Manager_
Filipe Toledo (SP) (@WSL / Kelly Cestari).
Uma final luso-brasileira fechou o Corona Open J-Bay nas direitas perfeitas de Supertubes, na quinta-feira em Eastern Cape, África do Sul. Em um dos eventos com as melhores ondas da história do World Surf League Championship Tour, Filipe Toledo deu um show para conquistar sua quarta vitória na carreira e subiu da 14.a para a sétima posição no ranking, que continua liderado pelo australiano Matt Wilkinson. Frederico Morais barrou o campeão mundial Gabriel Medina nas semifinais e se tornou o primeiro surfista de Portugal a chegar na final em etapas do CT. Com o vice-campeonato, ele foi do 18.o para o 12.o lugar no Jeep WSL Leaderboard.
“Eu nem posso acreditar nisso. Sempre sonhei em ganhar esse campeonato aqui em J-Bay, surfando ondas perfeitas assim”, disse Filipe Toledo, que competiu na África do Sul com o cabelo pintado de verde. “Eu só tenho que agradecer a Deus pela incrível semana que tivemos aqui. Toda a minha família está aqui me apoiando e tudo isso é inacreditável, não sei nem o que dizer. Acho que vou deixar meu cabelo assim no restante do ano (risos)”.
A decisão do título foi eletrizante, mas Filipe começou bem com nota 9,17 em sua segunda onda e controlou toda a bateria. Quando Frederico Morais entrou na briga numa onda que valeu 8,33, o brasileiro respondeu com a mesma nota. Na onda seguinte, o português destruiu uma direita com grandes arcos e batidas e rasgadas executadas nos pontos críticos, para ganhar a maior nota da bateria – 9,40. No entanto, Filipe deu o troco em outra apresentação agressiva, atacando cada espaço da onda e entubando, para tirar nota 8,83 e sacramentar a vitória e o prêmio máximo de 100.000 dólares por 18,00 a 17,73 pontos.
“Foi uma semana maravilhosa”, disse Filipe Toledo. “Este, definitivamente, será o evento que lembrarei por quarenta ou cinquenta anos. Não porque eu ganhei, mas por causa do nível do surfe e das altas ondas que rolaram durante todos os dias. Em J-Bay, com ondas incríveis e esse nível de surfe, foi perfeito. Agradeço toda a minha equipe que me ajudou e a minha filha e esposa, que estiveram aqui a semana toda me apoiando”.
Apesar da derrota na final, Frederico Morais fez grandes apresentações em sua primeira vez competindo em Jeffreys Bay. Ele barrou dois campeões mundiais nas fases decisivas. Contra o atual, John John Florence, conseguiu uma virada espetacular nas duas últimas que surfou nessa bateria pelas quartas de final. Uma valeu 9,77 e na seguinte superou o havaiano com sua primeira nota 10 no CT. Na semifinal contra Gabriel Medina, aproveitou muito bem as oportunidades que teve para surfar numa bateria marcada por longas calmarias, com poucas ondas entrando para o brasileiro tentar reverter o resultado de 17,37 a 14,70 pontos.
“Eu simplesmente amo esse lugar, é incrível”, disse Frederico Morais. “As ondas são surpreendentes, o clima é parecido com o de casa e a vibração que você sente aqui é uma loucura. Estou muito feliz por ter surfado contra caras como o John John (Florence), o Mick (Fanning), o Adriano (de Souza), o Gabriel (Medina), o Filipe (Toledo). Eles são os melhores, campeões mundiais, então se você quiser vence-los, precisa estar preparado para tudo. Mais feliz ainda por ser o primeiro surfista de Portugal a fazer uma final no World Tour. Então só tenho que agradecer, obrigado a todos que me apoiaram e que torcem por mim”.
Realmente, parecia impossível alguém ganhar de Filipe Toledo na África do Sul. Ele fez três baterias sensacionais nas ondas de 6-8 pés da quinta-feira em Jeffreys Bay. O primeiro desafio foi contra um dos favoritos ao título, o sul-africano Jordy Smith, que na terça-feira fez uma bateria perfeita com duas notas 10. O brasileiro também ganhou duas notas máximas, a primeira do campeonato e também na terça-feira, quando usou os aéreos para conquistar a classificação direta para as quartas de final, mandando o próprio Smith para a repescagem.
Filipe apresentou seu arsenal de manobras modernas e progressivas, pegou lindos tubos e liquidou o sul-africano com as notas 9,50 e 9,20 das duas primeiras ondas que surfou. A vitória foi massacrante, por “combination”, no placar encerrado em 18,70 a 13,26 pontos. Na disputa seguinte, Julian Wilson barrou o líder do ranking no duelo australiano que fechou as quartas de final. Matt Wilkinson permanece com a lycra amarela de número 1 do Jeep WSL Leader e Wilson também não teve qualquer chance contra Filipe nas semifinais. O brasileiro venceu por “combination” novamente, por 16,63 a 11,33 pontos.

Surf - Chilenos e peruanos se destacam nos tubos de El Gringo

João Carvalho – WSL South America Media Manager_
Martin Jeri (PER) (Mauricio Lazo).
Os donos da casa brilharam nas boas ondas de 6-8 pés da quinta-feira no Chile, com Nicolas Vargas e Manuel Selman surfando os melhores tubos da semana em El Gringo. Outro destaque do terceiro dia do QS 3000 Maui and Sons Arica Pro Tour by Cerveza Corona & Canon, foi a participação peruana. Eles ganharam a maioria das dezesseis baterias no mais longo dia de competição em Arica, seis no total, com Martin Jeri pegando o primeiro tubaço da quinta-feira. A condição do mar estava tão boa que a terceira fase foi iniciada e o líder do ranking sul-americano da WSL South America, o brasileiro Thiago Camarão, foi um dos seis surfistas que já avançaram para a rodada classificatória para as quartas de final do QS 3000 do Chile.
Camarão participou do primeiro confronto do dia e não conseguiu pegar boas ondas, mas fez o suficiente para vencer. Depois, voltou ao mar para disputar a segunda bateria da terceira fase e dessa vez achou os tubos para computar notas 8,23 e 6,17 no segundo maior placar da quinta-feira, 14,40 pontos, que só ficou abaixo do novo recordista absoluto do Maui and Sons Arica Pro Tour, o chileno Nicolas Vargas, com nota 9,20 e 16,20 pontos. O norte-americano Jordy Collins avançou junto com Thiago Camarão para a quarta fase, derrotando os outros dois brasileiros que competiram nessa bateria, João Chianca e Lucas Silveira.
“Foi uma bateria difícil, porque todos que estava nela surfam muito bem”, disse Thiago Camarão. “Então, meu plano foi tentar pegar o maior número de ondas possível, porque na bateria que disputei pela manhã, fiquei esperando demais para surfar. Acho que agora eu estava mais motivado e focado para ir bem nessa bateria, então estou feliz que deu tudo certo e eu avancei para a próxima fase”.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Surf - Peruano e norte-americanos brilham no QS 3000 do Chile

João Carvalho – WSL South America Media Manager_
Alvaro Malpartida (PER) (Rodrigo Farias / Aguasagrada).
O indesejado vento maral que acaba com a formação dos tubos em El Gringo, entrou mais cedo na quarta-feira e o QS 3000 Maui and Sons Arica Pro Tour by Cerveza Corona & Canon teve que ser paralisado após a oitava das doze baterias programadas para o segundo dia no Chile. Foram realizadas as cinco que restavam para fechar a primeira fase e mais três da segunda, com os norte-americanos se sobressaindo com três vitórias e seis classificações. Mas, o grande destaque do dia foi o peruano Alvaro Malpartida, que se tornou o recordista absoluto do campeonato com nota 8,67 e 15,17 pontos. Foi no penúltimo confronto do dia e o evento parou quando o brasileiro Thiago Camarão ia começar a defender a liderança do ranking sul-americano da WSL South America. A sua estreia em Arica ficou para as 7h00 da quinta-feira no Chile, 8h00 no fuso horário de Brasília, ao vivo pelo worldsurfleague.com
“Eu adoro vir aqui para Arica e acho que essa onda de El Gringo é uma das cinco melhores do mundo, certamente”, disse Alvaro Malpartida, que já fez duas finais no Chile, em 2009 e 2013. “Eu amo o perigo de surfar aqui e especialmente esses tubos incríveis. Eu tenho muito respeito por essa onda, mas muito amor também. Acho que é necessário construir uma relação com ela e com o tempo ela pode mostrar o seu lado mágico para você”.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Surf - Lucinho Lima Vence Duplamente no CBSurf Master do Rota do Mar

Fonte CBSurf_
Lucinho Lima CE CBSSurf  Master no Rota do Mar Surf and Music 2017 Maracaipe Ipojuca PE - Foto Lucas Galindo.
O master cearense Lucinho Lima, com as médias mais altas das finais, foi campeão Sênior (+28) e Master (+35) na abertura do CBSurf Master disputada no fim de semana (15 e 16 de julho) em Maracaípe, Ipojuca, PE, e válida como segunda de três provas do Rota do Mar Surf and Music, que prosseguirá com o Nordestino Profissional neste sábado e domingo (22 e 23 de julho).

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Surf - “Sem Sérebro Surf Club” nas Mentawai

 Fonte SS_
Sem Sérebro Diassis Machado - Foto Arquivo Pessoal. 
A “Sem Sérebro Surf Club” organizou, em conjunto com os Surfmasters da Praia do Futuro, uma barca para as ilhas Mentawai, na Indonésia, no período de 10 a 25 de junho. Participaram da viagem, além do Sem Sérebro Diassis Machado, os surfistas Carlos Alexandre (Xexéu), Gilson Soares, Fernando, Anastácio, Fábio Távora, Felipe Carvalho, Gustavo, João Paulo, Renato Marinho, Rodrigo Carneiro, Fábio Pisca e o body boarder Carlos Bellini. O grupo fechou a barca a bordo do Star Koat, barco da Mentawai Surf Charters (Kadu), tendo como guia e fotógrafo oficial o Paulo Mendes.

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Surf - CBSurf Master, Experiência no Outside

Fonte Waves - Por Chico Padilha_
Primeira etapa do Circuito Brasileiro Master rola nos dias 15 e 16 de julho, em Maracaípe (PE). Foto: Eros Sena.
Nos dias 15 e 16 de julho, Maracaípe recebe a abertura do Circuito CBSurf Master, com suas tradicionais categorias Master, Grand Master, Kahuna e Grand Kahuna. A expectativa é reunir grandes nomes do surfe nacional com a disputa de uma premiação de R$ 20 mil entre os quatro melhores colocados, 2.000 pontos no ranking e troféus.
Fechando o evento, nos dias 22 e 23 de julho, a praia sedia a segunda etapa do Circuito Nordestino de Surf Profissional com competições nas categorias Profissional, Open, Junior e Mirim. A pontuação também será válida para o Circuito Pernambucano de Surf. Os quatro melhores atletas da categoria profissional disputarão R$ 10 mil em prêmios. Os vencedores das demais receberão prancha, bloco, kits de produtos Rota do Mar e troféus.

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Surf - Os Surfistas Ulisses Vinicius (13 anos) e Lapo Coutinho em Nias. Team Greenish

Por Daniel Bezerra, Team Manager Greenish_
Fotos Justin e Hash (fotógrafos casca grossa de Nias)
Junho foi um mês abençoado na indonésia, um grande swell encostou na ilha fazendo a alegria de muitos tuberiders ali presente. Os surfistas Ulisses Vinicius (13 anos) e Lapo Coutinho Surfista de ondas grandes e sua namorada Nicole Parcelli desfrutaram as boas ondas que quebraram em Nias, que fica no noroeste da indonésia mais precisamente na costa de Sumatra. Todos pegaram altas ondas e tubos bem largos, característica marcante da onda de Lagundri Bay e sairam de lá com a missão cumprida e o dever de voltar a esse paraíso das direitas chamado Nias. Confira alguns momentos dessa trip, e em breve lançaremos o video completo. Por Daniel Bezerra, Team Manager Greenish.