segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Surf - Billabong Pipe Masters, Slater vence a etapa

Fonte Waves
Kelly Slater vence o Billabong Pipe Masters 2013. Foto: © ASP / Cestari
O norte-americano Kelly Slater ficou com o título do Billabong Pipe Masters, etapa do WCT finalizada neste sábado, em excelentes ondas de até 4 metros.
Na final, Slater derrotou o local John John Florence com notas 9.78 e 6.50, contra 8.50 e 7.40 do havaiano. Pela vitória, o norte-americano embolsa US$ 75 mil e soma 10 mil pontos no ranking mundial.


"Foi um pouco estranha essa final", disse Kelly Slater. "Eu e John John (Florence) esperamos um tempão por ondas boas que não entravam, então eu sabia que ia ficar tudo pro final. Achei até vantagem não estar com a prioridade porque pude ir em várias ondas em vez de esperar pelas melhores séries. Estou feliz por estar em Pipeline com ondas tão boas assim e com esse público que é o maior que eu já vi aqui. Surfei grandes tubos em todas as baterias e o Pipe Masters é um campeonato especial".

Derrotado por John John nas semifinais, Mick Fanning conquistou o título mundial pela terceira vez na carreira.

Entre os brasileiros, Miguel Pupo foi o único que chegou ao último dia em Pipeline. Ele começou o sábado eliminando o francês Jeremy Flores, campeão da etapa em 2010. Pupo deu um show nos cilindros e foi premiado com notas 9.77 e 5.50, contra 7.33 e 3.43 de Jeremy.

Porém, nas quartas-de-final, o brazuca foi superado pelo australiano Joel Parkinson, que esbanjou categoria nos canudos do Backdoor para totalizar 12.83 pontos, contra apenas 6.00 de Miguel.

Parko, que defendia o título do Billabong Pipe Masters, viu o sonho do bi ir embora na semifinal, diante de um inspirado Kelly Slater. O norte-americano estava na briga pelo título mundial e precisava vencer a etapa, mas torcia para que Mick Fanning não chegasse às semifinais.

Porém, o rival australiano conseguiu duas viradas emocionantes nos minutos finais dos dois confrontos que disputou neste sábado, estragando os planos de Slater.

Na quinta fase, Fanning encontrou um tubo salvador nos minutos finais e arrancou 9.50 para virar o placar contra Damien Hobgood.

Nas quartas, Fanning encontrou um raro tubo para o Backdoor e começou muito bem contra o compatriota Yadin Nicol, descolando 7.33. Porém, Yadin - que precisava chegar à final para garantir a classificação ao WCT - reagiu em grande estilo com dois canudos em Pipeline que renderam 9.33 e 7.57.

Quando tudo parecia perdido, mais uma vez Fanning ressurgiu das cinzas na última onda e pegou um tubo incrível em Pipeline. Ele precisava de 9.57 e arrancou 9.70 dos juízes.

Depois que garantiu o título, Fanning foi massacrado por John John Florence nas semifinais. O local havaiano deitou e rolou no quintal de casa e somou notas 9.20 e 9.10, dando-se ao luxo de descartar 8.73 e 8.27. Sem pressão alguma, Fanning não esboçou reação e saiu da água com apenas 2.93 e 2.07 nas duas melhores ondas.

Na outra semi, Slater deu um show ainda melhor contra Parko. O careca estava tomado e abusou das pontuações expressivas, chegando a arrancar nota 10 em uma craca cabulosa. Antes de alcançar a perfeição, ele há havia descolado 9.63 e 7.33. Não satisfeito com o 10, Slater ainda mandou um 9.57 na última onda.

Parko nada pôde fazer diante do show e até surfou bem, mas suas notas 7.17 e 7.67 não impediram que ficasse precisando de uma combinação no total de 19.64 pontos.
Na final, Slater derrotou o local John John Florence com notas 9.78 e 6.50, contra 8.50 e 7.40 do havaiano. Pela vitória, o norte-americano embolsa US$ 75 mil e soma 10 mil pontos no ranking mundial.

"Foi um pouco estranha essa final", disse Kelly Slater. "Eu e John John (Florence) esperamos um tempão por ondas boas que não entravam, então eu sabia que ia ficar tudo pro final. Achei até vantagem não estar com a prioridade porque pude ir em várias ondas em vez de esperar pelas melhores séries. Estou feliz por estar em Pipeline com ondas tão boas assim e com esse público que é o maior que eu já vi aqui. Surfei grandes tubos em todas as baterias e o Pipe Masters é um campeonato especial".

Derrotado por John John nas semifinais, Mick Fanning conquistou o título mundial pela terceira vez na carreira.

Entre os brasileiros, Miguel Pupo foi o único que chegou ao último dia em Pipeline. Ele começou o sábado eliminando o francês Jeremy Flores, campeão da etapa em 2010. Pupo deu um show nos cilindros e foi premiado com notas 9.77 e 5.50, contra 7.33 e 3.43 de Jeremy.

Porém, nas quartas-de-final, o brazuca foi superado pelo australiano Joel Parkinson, que esbanjou categoria nos canudos do Backdoor para totalizar 12.83 pontos, contra apenas 6.00 de Miguel.

Parko, que defendia o título do Billabong Pipe Masters, viu o sonho do bi ir embora na semifinal, diante de um inspirado Kelly Slater. O norte-americano estava na briga pelo título mundial e precisava vencer a etapa, mas torcia para que Mick Fanning não chegasse às semifinais.

Porém, o rival australiano conseguiu duas viradas emocionantes nos minutos finais dos dois confrontos que disputou neste sábado, estragando os planos de Slater.

Na quinta fase, Fanning encontrou um tubo salvador nos minutos finais e arrancou 9.50 para virar o placar contra Damien Hobgood.

Nas quartas, Fanning encontrou um raro tubo para o Backdoor e começou muito bem contra o compatriota Yadin Nicol, descolando 7.33. Porém, Yadin - que precisava chegar à final para garantir a classificação ao WCT - reagiu em grande estilo com dois canudos em Pipeline que renderam 9.33 e 7.57.

Quando tudo parecia perdido, mais uma vez Fanning ressurgiu das cinzas na última onda e pegou um tubo incrível em Pipeline. Ele precisava de 9.57 e arrancou 9.70 dos juízes.

Depois que garantiu o título, Fanning foi massacrado por John John Florence nas semifinais. O local havaiano deitou e rolou no quintal de casa e somou notas 9.20 e 9.10, dando-se ao luxo de descartar 8.73 e 8.27. Sem pressão alguma, Fanning não esboçou reação e saiu da água com apenas 2.93 e 2.07 nas duas melhores ondas.

Na outra semi, Slater deu um show ainda melhor contra Parko. O careca estava tomado e abusou das pontuações expressivas, chegando a arrancar nota 10 em uma craca cabulosa. Antes de alcançar a perfeição, ele há havia descolado 9.63 e 7.33. Não satisfeito com o 10, Slater ainda mandou um 9.57 na última onda.

Parko nada pôde fazer diante do show e até surfou bem, mas suas notas 7.17 e 7.67 não impediram que ficasse precisando de uma combinação no total de 19.64 pontos.
A final só ganhou emoção quando faltavam pouco menos de 10 minutos para o término. John John Florence veio por dentro de Pipeline e somou 8.50, mas Slater não demorou a dar a resposta e passou por dentro de uma placa cascuda, saindo numa potente baforada. 
 A nota 9.87 do norte-americano fez a batalha pegar fogo. Slater partiu para ampliar a vantagem e conseguiu 6.50 em outro tubo de backside.

Nos instantes finais, John John - que precisava de 7.88 - investiu em um bonito tubo no Backdoor, deixando a situação dramática no North Shore. Porém, o havaiano obteve 7.40 e o título da prova ficou mesmo com Slater.

O último título conquistado por Kelly Slater no grande palco do esporte havia sido em 2008. Os outros foram na década de 90, com o primeiro deles logo no seu ano de estreia na divisão de elite do ASP World Tour implantada no mesmo ano de 1992. Depois, foi o melhor nos tubos de Banzai Pipeline e do Backdoor em 1994, 1995, 1996 e 1999.

Ao contrário de Slater, que vem chegando nas fases decisivas do Pipe Masters desde a vitória de 2008, Mick Fanning não conseguia ser semifinalista em Pipeline desde 2005, quando foi vice-campeão na final contra o havaiano Andy Irons.

Questionado se vai continuar na busca pelo 12o título mundial em 2014, Slater não deixou dúvidas: "No ano passado, fizeram a mesma pergunta e eu disse que continuaria porque ainda queria fazer uma final com o John John (Florence) em Pipe, o que aconteceu agora. E hoje (sábado) foi um dia especial na minha vida, pois sempre sonhei desde criança com ondas grandes, perfeitas e o Pipe Masters. Se eu tivesse me afastado do esporte 5 anos atrás, não teria vivido isso hoje. Eu quero surfar contra os melhores surfistas nas melhores ondas, por isso estou no circuito e quero mais dias como este, então definitivamente estarei no WCT no próximo ano".


Apesar da derrota, John John Florence também saiu de Pipeline com o título. Ao chegar às semifinais, ele conquistou o título da tradicional Tríplice Coroa Havaiana. "Este segundo título na Tríplice Coroa foi mais especial pra mim", disse John John Florence. "No primeiro ano (2011), eu era jovem e estava apenas me divertindo, mas este ano eu vim querendo ganhar o Triple Crown. Mas, sinceramente, não achava que tinha chance até hoje (sábado), no último dia. Então, entrei concentrado nisso contra Mick Fanning e este resultado me deixa mais motivado para o próximo ano. Ainda cheguei perto de vencer meu primeiro Pipe Masters, então estou feliz também".

Outro premiado em Pipeline foi o brasileiro Gabriel Medina. Ele faturou o Hawaiian Airlines AirShow - 250.00 Milhas - por um tubo acompanhado de um alley-oop sensacional.

Resultado do Billabong Pipe Masters 2013

1 Kelly Slater (EUA)
2 John John Florence (Haw)
3 Mick Fanning (Aus)
3 Joel Parkinson (Aus)
5 Miguel Pupo (Bra)
5 Yadin Nicol (Aus)
5 Sebastian Zietz (Haw)
5 Julian Wilson (Aus)
9 Jeremy Flores (Fra)
9 Kai Otton (Aus)
9 CJ Hobgood (EUA)
9 Nat Young (EUA)

Top 22 do WCT para 2014

1 Mick Fanning (Aus) - 54.400 pontos
2 Kelly Slater (EUA) - 54.150
3 Joel Parkinson (Aus) - 48.450
4 Jordy Smith (Afr) - 43.150
5 Taj Burrow (Aus) - 42.900
6 Julian Wilson (Aus) - 40.950
7 Kai Otton (Aus) - 39.600
8 Nat Young (EUA) - 38.000
9 Josh Kerr (Aus) - 36.100
10 John John Florence (Haw) - 35.150
11 C. J. Hobgood (EUA) - 34.650
12 Michel Bourez (Tah) - 33.000
13 Adriano de Souza (Bra) - 31.750
14 Gabriel Medina (Bra) - 25.000
15 Filipe Toledo (Bra) - 24.400
16 Sebastian Zietz (Haw) - 24.350
17 Adrian Buchan (Aus) - 24.200
18 Jeremy Flores (Fra) - 23.000
19 Miguel Pupo (Bra) - 18.450
19 Fredrick Patacchia (Haw) - 18.450
21 Bede Durbidge (Aus) - 16.200
22 Matt Wilkinson (Aus) - 15.950

Wildcards da ASP por contusão Owen Wright (AUS) e Tiago Pires (PRT)

Classificados pela divisão de acesso

1 Adam Melling (Aus) 
2 Kolohe Andino (EUA) 
3 Alejo Muniz (Bra)
4 Jadson André (Bra) 
5 Mitch Crews (Aus) 
6 Aritz Aranburu (Esp) 
7 Raoni Monteiro (Bra) 
8 Travis Logie (Afr)
9 Dion Atkinson (Aus) 
10 Brett Simpson (EUA)


Nenhum comentário:

Postar um comentário