quinta-feira, 9 de abril de 2015

Surf - Bells Beach, Mineiro é Vice

Por Redação Waves 
Adriano de Souza é vice-campeão do Rip Curl Pro Bells Beach 2015, na Austrália. Foto: © WSL / Cestari
Em final emocionante, decidida pelo critério de desempate, o australiano Mick Fanning levou a melhor sobre o brasileiro Adriano de Souza no Rip Curl Pro Bells Beach, segunda etapa do Champioship Tour 2015.
Além de vencer a etapa pela quarta vez na carreira e pelo segundo ano consecutivo, Fanning empata com o brasileiro Filipe Toledo na liderança do ranking mundial. Depois de largar na frente na corrida pelo título da temporada, Filipinho caiu nas quartas em Bells Beach.
Já Adriano de Souza permanece em terceiro no tour. Na final em Bells, o brasileiro começou devagar, com uma onda inexpressiva que rendeu apenas 3.50. Com quase 15 minutos de bateria, o brasileiro voltou a investir e desta vez foi melhor, surfando uma direita até o inside para descolar 6.33.
Enquanto isso, Fanning aguardava calmamente por uma boa onda. Minutos depois ele estreou na bateria, mas caiu ao mandar um tail slide.
Na onda de trás, o brasileiro deu a resposta pegando outra direita até o inside e finalizando em cima das pedras. Os juízes deram 7.50 e o brasileiro aumentou a pressão sobre o adversário.

Não demorou muito para Fanning reagir. O australiano mandou um belo snap na primeira manobra e trabalhou bem a onda para descolar 8.17.

Elétrico, Adriano pegou outra onda e executou quatro rasgadas que renderam 7.47.

Tentando a virada, Fanning investiu numa onda que começou cheia, bastante espumada, mas soltou o pé no inside ao acertar um tail slide sensacional e mais uma boa batida na junção. Com a nota 7.10, o aussie conseguiu a virada e deixou o brasileiro precisando de 7.78.

Minutos depois, Adriano tentou dar o troco com outra onda surfada até o inside, aplicando boas batidas no início e conectando para mandar uma rasgada e uma boa pancada na finalização.

Para a sorte do brasileiro, Mick Fanning usou a prioridade numa onda ruim logo depois, deixando o caminho livre para Adriano escolher outra onda enquanto aguardava a nota anterior. Não demorou muito para sair a nota: 7.77 (0.01 a menos do que ele precisava). Três dos cinco juízes deram 7.80, enquanto um deu 7.70 e outro 7.50. Como a maior e a menor notas são cortadas, o brasileiro se deu mal e bateu na trave.

O placar ficou empatado em 15.27 pontos, mas o australiano seguiu na liderança por ter obtido a maior nota do confronto (8.17). Guerreiro, o brasileiro partiu pra cima de outra onda logo na sequência e fez outra boa apresentação, comemorando bastante ao finalizar no inside. Ele buscava 7.50, mas conseguiu apenas 7.00 e a vitória ficou mesmo com Fanning.

 A vitória de Mick Fanning gerou uma situação inusitada para a World Surf League (WSL). Como agora o ranking mundial tem dois líderes - Mick e Filipe -, a entidade teve de decidir quem irá utilizar a lycra amarela (destinada ao líder do tour) em Margaret River, Austrália.

A redação do Waves entrou em contato com Renato Hickel, tour manager da WSL. Depois de uma reunião entre a diretoria, ficou definido que Mick Fanning ficará com a lycra. O critério utilizado pela WSL é o ranking do ano anterior. Mick terminou em segundo, enquanto Filipe foi o 17o.

TRAJETÓRIA NO RIP CURL PRO BELLS BEACH 2015

Antes de enfrentar Mick Fanning na finalíssima, Adriano de Souza derrotou o campeão mundial Gabriel Medina nas quartas-de-final. Foi a sexta que vez que eles duelaram no tour e Adriano permanece invicto.

Em difíceis condições, os atletas começaram a bateria esperando bastante por uma série com potencial. Depois de muita demora, Medina investiu numa onda fraca, e logo em seguida descolou 4.83 e 3.50.

Quando reagiu, Adriano encontrou uma direita extensa, trabalhada com batidas e rasgadas até o inside. Já Medina, em sua melhor onda, aplicou duas boas batidas de backside numa onda curta. Os juízes avaliaram que a onda de Adriano foi melhor e a média ficou em 5.10, contra 4.83 de Medina.

Faltando pouco mais de quatro minutos, Adriano pegou uma onda intermediária que rendeu bastante e descolou 6.50 para assumir a liderança, eliminando o campeão mundial pelo segundo ano consecutivo em Bells Beach.

“Foi uma bateria dura, sem muitas ondas, e é sempre complicado surfar contra Adriano. Gostaria de ter surfado ondas melhores, mas tudo bem. Margaret é uma onda muito boa e acho que é melhor do que aqui, então espero conseguir um bom resultado lá. Temos apenas dois eventos e hoje é um bom resultado para mim. Espero continuar na luta pelo título até o fim do ano”, disse Medina.

Depois de bater o compatriota, Adriano não tomou conhecimento do australiano Josh Kerr e passou com tranquilidade pelo adversário, totalizando 14.84 pontos, contra 9.87 de Josh.


Em seguida, o brasileiro acompanhou o duelo entre o australiano Mick Fanning e o norte-americano Nat Young.

Com uma ótima leitura de onda e um surf diferenciado, sempre usando muito bem as bordas da prancha, Mick bateu Nat por 16.70 a 14.23 pontos. Defensor do título da prova, o australiano fez uma ótima escolha e surfou apenas três ondas (8.70, 5.23 e 8.00), enquanto o norte-americano teve o dobro de tentativas.

Campeão da etapa em 2013, Adriano de Souza precisava erguer novamente o troféu para ultrapassar o compatriota Filipe Toledo na corrida pelo título mundial. O vencedor da primeira etapa do ano, em Snapper Rocks, foi derrotado nas quartas por Nat Young.

Nat foi melhor na escolha de ondas e mostrou seu surf sólido de backside para sair na frente com 6.83, contra 4.83 de Filipe.

O brasileiro reagiu com uma bela rasgada, alguns cutbacks na parte cheia da onda e uma boa batida na junção. Na onda de trás, Nat atacou muito bem as partes críticas e novamente teve uma pontuação melhor (8.60, contra 8.33 de Filipe).

Enquanto o brasileiro aguardava uma série melhor, o norte-americano investiu em uma onda intermediária e trocou 6.43 por 6.50. A partir dos 10 minutos finais, Filipe passou a investir nos aéreos e até conseguiu sua segunda melhor nota (5.53) num voo rodando, mas a tática não deu certo.


“Foi complicado contra Nat e ele está surfando muito bem. Continuo feliz e este é um bom resultado. Cometi alguns erros lá fora com a prioridade e deveria ter tentado algumas manobras. Agora é buscar outro bom resultado em Margaret. Agradeço a todos pelo apoio”, falou Filipe.
A vitória de Mick Fanning gerou uma situação inusitada para a World Surf League (WSL). Como agora o ranking mundial tem dois líderes - Mick e Filipe -, a entidade teve de decidir quem irá utilizar a lycra amarela (destinada ao líder do tour) em Margaret River, Austrália.

A redação do Waves entrou em contato com Renato Hickel, tour manager da WSL. Depois de uma reunião entre a diretoria, ficou definido que Mick Fanning ficará com a lycra. O critério utilizado pela WSL é o ranking do ano anterior. Mick terminou em segundo, enquanto Filipe foi o 17o.

TRAJETÓRIA NO RIP CURL PRO BELLS BEACH 2015

Antes de enfrentar Mick Fanning na finalíssima, Adriano de Souza derrotou o campeão mundial Gabriel Medina nas quartas-de-final. Foi a sexta que vez que eles duelaram no tour e Adriano permanece invicto.

Em difíceis condições, os atletas começaram a bateria esperando bastante por uma série com potencial. Depois de muita demora, Medina investiu numa onda fraca, e logo em seguida descolou 4.83 e 3.50.

Quando reagiu, Adriano encontrou uma direita extensa, trabalhada com batidas e rasgadas até o inside. Já Medina, em sua melhor onda, aplicou duas boas batidas de backside numa onda curta. Os juízes avaliaram que a onda de Adriano foi melhor e a média ficou em 5.10, contra 4.83 de Medina.

Faltando pouco mais de quatro minutos, Adriano pegou uma onda intermediária que rendeu bastante e descolou 6.50 para assumir a liderança, eliminando o campeão mundial pelo segundo ano consecutivo em Bells Beach.

“Foi uma bateria dura, sem muitas ondas, e é sempre complicado surfar contra Adriano. Gostaria de ter surfado ondas melhores, mas tudo bem. Margaret é uma onda muito boa e acho que é melhor do que aqui, então espero conseguir um bom resultado lá. Temos apenas dois eventos e hoje é um bom resultado para mim. Espero continuar na luta pelo título até o fim do ano”, disse Medina.

Depois de bater o compatriota, Adriano não tomou conhecimento do australiano Josh Kerr e passou com tranquilidade pelo adversário, totalizando 14.84 pontos, contra 9.87 de Josh.


Em seguida, o brasileiro acompanhou o duelo entre o australiano Mick Fanning e o norte-americano Nat Young.

Com uma ótima leitura de onda e um surf diferenciado, sempre usando muito bem as bordas da prancha, Mick bateu Nat por 16.70 a 14.23 pontos. Defensor do título da prova, o australiano fez uma ótima escolha e surfou apenas três ondas (8.70, 5.23 e 8.00), enquanto o norte-americano teve o dobro de tentativas.

Campeão da etapa em 2013, Adriano de Souza precisava erguer novamente o troféu para ultrapassar o compatriota Filipe Toledo na corrida pelo título mundial. O vencedor da primeira etapa do ano, em Snapper Rocks, foi derrotado nas quartas por Nat Young.

Nat foi melhor na escolha de ondas e mostrou seu surf sólido de backside para sair na frente com 6.83, contra 4.83 de Filipe.

O brasileiro reagiu com uma bela rasgada, alguns cutbacks na parte cheia da onda e uma boa batida na junção. Na onda de trás, Nat atacou muito bem as partes críticas e novamente teve uma pontuação melhor (8.60, contra 8.33 de Filipe).

Enquanto o brasileiro aguardava uma série melhor, o norte-americano investiu em uma onda intermediária e trocou 6.43 por 6.50. A partir dos 10 minutos finais, Filipe passou a investir nos aéreos e até conseguiu sua segunda melhor nota (5.53) num voo rodando, mas a tática não deu certo.


“Foi complicado contra Nat e ele está surfando muito bem. Continuo feliz e este é um bom resultado. Cometi alguns erros lá fora com a prioridade e deveria ter tentado algumas manobras. Agora é buscar outro bom resultado em Margaret. Agradeço a todos pelo apoio”, falou Filipe.
A vitória de Mick Fanning gerou uma situação inusitada para a World Surf League (WSL). Como agora o ranking mundial tem dois líderes - Mick e Filipe -, a entidade teve de decidir quem irá utilizar a lycra amarela (destinada ao líder do tour) em Margaret River, Austrália.

A redação do Waves entrou em contato com Renato Hickel, tour manager da WSL. Depois de uma reunião entre a diretoria, ficou definido que Mick Fanning ficará com a lycra. O critério utilizado pela WSL é o ranking do ano anterior. Mick terminou em segundo, enquanto Filipe foi o 17o.

TRAJETÓRIA NO RIP CURL PRO BELLS BEACH 2015

Antes de enfrentar Mick Fanning na finalíssima, Adriano de Souza derrotou o campeão mundial Gabriel Medina nas quartas-de-final. Foi a sexta que vez que eles duelaram no tour e Adriano permanece invicto.

Em difíceis condições, os atletas começaram a bateria esperando bastante por uma série com potencial. Depois de muita demora, Medina investiu numa onda fraca, e logo em seguida descolou 4.83 e 3.50.

Quando reagiu, Adriano encontrou uma direita extensa, trabalhada com batidas e rasgadas até o inside. Já Medina, em sua melhor onda, aplicou duas boas batidas de backside numa onda curta. Os juízes avaliaram que a onda de Adriano foi melhor e a média ficou em 5.10, contra 4.83 de Medina.

Faltando pouco mais de quatro minutos, Adriano pegou uma onda intermediária que rendeu bastante e descolou 6.50 para assumir a liderança, eliminando o campeão mundial pelo segundo ano consecutivo em Bells Beach.

“Foi uma bateria dura, sem muitas ondas, e é sempre complicado surfar contra Adriano. Gostaria de ter surfado ondas melhores, mas tudo bem. Margaret é uma onda muito boa e acho que é melhor do que aqui, então espero conseguir um bom resultado lá. Temos apenas dois eventos e hoje é um bom resultado para mim. Espero continuar na luta pelo título até o fim do ano”, disse Medina.

Depois de bater o compatriota, Adriano não tomou conhecimento do australiano Josh Kerr e passou com tranquilidade pelo adversário, totalizando 14.84 pontos, contra 9.87 de Josh.


Em seguida, o brasileiro acompanhou o duelo entre o australiano Mick Fanning e o norte-americano Nat Young.

Com uma ótima leitura de onda e um surf diferenciado, sempre usando muito bem as bordas da prancha, Mick bateu Nat por 16.70 a 14.23 pontos. Defensor do título da prova, o australiano fez uma ótima escolha e surfou apenas três ondas (8.70, 5.23 e 8.00), enquanto o norte-americano teve o dobro de tentativas.

Campeão da etapa em 2013, Adriano de Souza precisava erguer novamente o troféu para ultrapassar o compatriota Filipe Toledo na corrida pelo título mundial. O vencedor da primeira etapa do ano, em Snapper Rocks, foi derrotado nas quartas por Nat Young.

Nat foi melhor na escolha de ondas e mostrou seu surf sólido de backside para sair na frente com 6.83, contra 4.83 de Filipe.

O brasileiro reagiu com uma bela rasgada, alguns cutbacks na parte cheia da onda e uma boa batida na junção. Na onda de trás, Nat atacou muito bem as partes críticas e novamente teve uma pontuação melhor (8.60, contra 8.33 de Filipe).

Enquanto o brasileiro aguardava uma série melhor, o norte-americano investiu em uma onda intermediária e trocou 6.43 por 6.50. A partir dos 10 minutos finais, Filipe passou a investir nos aéreos e até conseguiu sua segunda melhor nota (5.53) num voo rodando, mas a tática não deu certo.


“Foi complicado contra Nat e ele está surfando muito bem. Continuo feliz e este é um bom resultado. Cometi alguns erros lá fora com a prioridade e deveria ter tentado algumas manobras. Agora é buscar outro bom resultado em Margaret. Agradeço a todos pelo apoio”, falou Filipe.
PRÓXIMA ETAPA

Os atletas permanecem na Austrália para o terceiro desafio do ano. O Drug Aware Pro 2015 acontece entre os próximos dias 15 e 26 de abril, em Margaret River, oeste australiano. O defensor do título é o taitiano Michel Bourez.

Resultado do Rip Curl Pro Bells Beach 2015

1 Mick Fanning (Aus)

2 Adriano de Souza (Bra)
3 Nat Young (EUA)
3 Josh Kerr (Aus)
5 Filipe Toledo (Bra)
5 Gabriel Medina (Bra)
5 Owen Wright (Aus)
5 Jordy Smith (Afr)
9 Jadson André (Bra)
25 Italo Ferreira (Bra) 
25 Miguel Pupo (Bra)
25 Wiggolly Dantas (Bra)


Ranking atualizado do Championship Tour 2015

1 Mick Fanning (Aus) 15.200

1 Filipe Toledo (Bra) 15.200
3 Adriano de Souza (Bra) 14.500
4 Julian Wilson (Aus) 9.750
5 Jordy Smith (Afr) 9.200
6 Josh Kerr (Aus) 8.250
6 Nat Young (EUA) 8.250
8 Miguel Pupo (Bra) 7.000
9 Gabriel Medina (Bra) 6.950
9 Owen Wright (Aus) 6.950

12 Kelly Slater (EUA) 5.750
12 Joel Parkinson (Aus) 5.750
12 Matt Wilkinson (Aus) 5.750
15 Bede Durbidge (Aus) 5.700
15 Wiggolly Dantas (Bra) 5.700
17 Jadson André (Bra) 4.500
17 Italo Ferreira (Bra) 4.500
17 Jeremy Flores (Fra) 4.500
17 Glenn Hall (Irl) 4.500
21 John John Florence (Haw) 3.500
21 Sebastian Zietz (Haw) 3.500
21 Freddy Patacchia (Haw) 3.500
21 Matt Banting (Aus) 3.500
26 Adam Melling (Aus) 2.250
26 Keanu Asing (Haw) 2.250
26 Dusty Payne (Haw) 2.250
26 Brett Simpson (EUA) 2.250
30 Mason Ho (Haw) 1.750
31 Michel Bourez (Tah) 1.000
31 Adrian Buchan (Aus) 1.000
31 Kai Otton (Aus) 1.000
31 Ricardo Christie (Nzl) 1.000
31 C.J. Hobgood (EUA) 1.000



Nenhum comentário:

Postar um comentário