segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Surf - Hang Loose Pro Contest celebra 30 anos na Joaquina

João Carvalho - Assessoria de Imprensa da WSL South America
Praia da Joaquina (Alberto Alves)
O Hang Loose Pro Contest vai retornar à Praia da Joaquina, para celebrar os 30 anos do campeonato inesquecível de 1986 que trouxe o Circuito Mundial de volta para o Brasil e ficou marcado na história do surfe brasileiro. Era a primeira vez que uma etapa válida pelo título mundial acontecia na Ilha de Santa Catarina e uma multidão superlotou a praia naquela primeira semana de setembro, para assistir grandes estrelas do esporte, ao vivo. E a "Joaca" bombou altas ondas de 8-10 pés para completar o cenário perfeito de muita festa e show de surfe em Florianópolis. O Hang Loose Pro Contest 2016 foi confirmado pela WSL South America para os dias 1 a 6 de novembro e será a última etapa com status QS 6000, antes do encerramento da temporada da World Surf League no Havaí

"Estou muito orgulhoso de, após 30 anos, poder retornar à Joaquina para celebrar o Hang Loose Pro Contest, evento que mudou a história do surfe brasileiro", disse Alfio Lagnado, diretor-presidente da Hang Loose. "Na época, pouco se ouvia do Brasil no cenário do surfe mundial e hoje vamos celebrar aquele evento épico com dois títulos mundiais nas costas (de Gabriel Medina em 2014 e Adriano de Souza em 2015) e o Brasil como uma potência indiscutível e reconhecida do esporte".

O QS 6000 Hang Loose Pro Contest também marca uma grande coincidência de datas. O campeonato de 1986 foi realizado após três anos sem competições válidas pelo título mundial no Brasil, pois o último tinha sido em 1982 no Rio de Janeiro. Na época, nenhum brasileiro competia no Circuito Mundial. Isso só veio acontecer em 1988, quando Fábio Gouveia e Teco Padaratz, patrocinados pela Hang Loose, e Piu Pereira, passaram a disputar toda a temporada, desde a Austrália até o Havaí. Agora, é a marca Hang Loose que volta a promover uma etapa do Circuito Mundial, depois de exatos três anos de ausência do calendário internacional, desde o Hang Loose Pro Contest de 2012 em Fernando de Noronha (PE). 

"Eu convido a todos, especialmente aos que participaram ou assistiram aquela grande festa de 1986, a celebrarem este novo momento histórico na Joaca", continua Álfio Lagnado, mostrando-se muito satisfeito pela oportunidade do retorno à Praia da Joaquina. "Obrigado à Santa Catarina, à Florianópolis, à WSL South America, ou seja, a todos que batalharam para este evento se tornar realidade. Nos vemos na praia".

30 ANOS DE HISTÓRIA - Para celebrar os 30 anos, a Hang Loose vai usar a mesma comunicação visual de 1986, com as cores azul turquesa e amarelo ouro predominando em toda a arena. Até o logotipo será o mesmo, para relembrar o evento mais marcante da história do surfe brasileiro. O Hang Loose Pro Contest aconteceu por 27 anos consecutivos, sendo até hoje o campeonato de surfe mais tradicional da América Latina, chegando até a realizar duas etapas na mesma temporada por duas vezes, em 1999 e no ano 2000. 

E o início dessa história começou com um evento inesquecível na ainda pacata cidade de Florianópolis, com altas ondas garantindo o espetáculo na Praia da Joaquina. O vento Sul parou na véspera do campeonato e deixou um swell de Leste perfeito para começar num mar clássico na "Joaca", com esquerdas incríveis de até 10 pés. Um público ansioso em poder assistir grandes estrelas do esporte ao vivo, quatro campeões mundiais entre eles, Mark Richards, Tom Carroll, Shaun Tomson e Wayne Bartholomew, lotou a praia desde os primeiros dias.

Era a oitava etapa da temporada e os que vieram ao Brasil buscar pontos na corrida do título mundial, consideraram o mar épico do Hang Loose Pro Contest como um dos melhores do Circuito Mundial desde 1984. Eram surfistas que todos só tinham visto em revistas, então a praia ficou lotada durante toda aquela semana de 6 a 14 de setembro de 1986, provocando grandes engarrafamentos desde a Lagoa da Conceição. A solenidade de abertura teve banda de música tocando o Hino Nacional na praia, com a presença do Governador do Estado na época. 

O governador chegou e saiu de carro no primeiro dia, mas no último só conseguiu isso de helicóptero, devido a multidão que seguia em massa para ver o campeonato na Joaquina. O público foi estimado entre 15.000 e 20.000 pessoas e o acesso era precário, por uma única rua estreita, ou caminhando pelas dunas. Os australianos eram as principais estrelas da época e eles dominaram os pódios nos quatro anos do Hang Loose Pro Contest na Ilha de Santa Catarina. 

O primeiro campeão foi Dave Macaulay, que venceu o favorito Mark Occhilupo na melhor de três baterias que decidiram o título. Eles deixaram o sul-africano Shaun Tomson e o havaiano Hans Hendemann nas semifinais. Já o brasileiro mais bem colocado foi o carioca Sergio Noronha, ainda muito jovem, que só perdeu para o campeão Dave Macaulay nas quartas de final e ficou em quinto lugar. Um total de 155 brasileiros participou do campeonato, mas entrando nas triagens para brigar pelas dezesseis vagas para o evento principal, quando estrearam as atrações internacionais já em duelos homem a homem, como é até hoje. 

Depois de Dave Macaulay, Tom Carroll foi bicampeão na Joaquina em 1987 e 1988 e Glen Winton ganhou o último em Florianópolis em 1989. A história do Hang Loose Pro Contest continuou por outras praias do Brasil e os brasileiros conseguiram reverter o domínio australiano iniciado em Santa Catarina, conquistando a maioria dos títulos nos 29 campeonatos realizados entre 1986 e 2012. Foram dezesseis no total, contra treze vitórias de surfistas de outros países. O troféu de campeão foi oito vezes para a Austrália, três para os Estados Unidos, uma para a Espanha e uma para a África do Sul. 

E agora, quem será o vencedor na celebração dos 30 anos do primeiro Hang Loose Pro Contest? 

-----------------------------------------------------------------
João Carvalho - Assessoria de Imprensa da WSL South America
(48) 9988-2986 - jcarvalho@worldsurfleague.com 
Mais informações no www.wslsouthamerica.com 

Nenhum comentário:

Postar um comentário